Pra você guardei o amor
Que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar
Sentir sem conseguir provar
Sem entregar
E repartir

Pra você guardei o amor
Que sempre quis mostrar
O amor que vive em mim vem visitar
Sorrir, vem colorir solar
Vem esquentar
E permitir

Quem acolher o que ele tem e traz
Quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto
Do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio
Exibe em cada olhar

Guardei
Sem ter porque
Nem por razão
Ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

Achei
Vendo em você
Explicação
Nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder
No fogo o gelo vai queimar

Pra você guardei o amor
Que aprendi vendo os meus pais
O amor que tive e recebi
E hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que o arco-íris
Risca ao levitar

Vou nascer de novo
Lápis, edifício, tevere, ponte
Desenhar no seu quadril
Meus lábios beijam signos feito sinos
Trilho a infância, terço o berço
Do seu lar

(“Pra Você Guardei o Amor” – Nando Reis)

Pra VOCÊS guardei o amor. Sem mais…

gravida

Sempre idealizei uma gravidez planejada, onde eu seria uma gestante bela, que praticaria exercícios regularmente e teria uma barriga lindíssima, digna de se exibir por aí. Por isso mesmo, meu plano era cuidar da saúde e do corpo no ano de 2013 para, em 2014, tentar engravidar. Mas não foi assim que aconteceu: engravidei em fevereiro de 2013 sem planejar, muuuito acima do peso e, por ter uma gestação delicada, além de estar proibida de fazer exercícios, tive que parar de trabalhar no 3º mês. Resultado: mais ganho de peso, nada de grávida bela, com barriga bonita para ser exibida. Claro que acho minha barriga preciosa e me orgulho dela, pois é lá que está sendo gerado o meu maior tesouro, a minha filha Valentina, mas tenho que ser honesta e admitir que bela ela não é.

Quando descobri a gravidez, a primeira preocupação no quesito estética foi a respeito do surgimento das horríveis estrias. Infelizmente, nesse aspecto, a genética não sorriu para mim: puxei à minha mãe e, de acordo com médicos, temos deficiência na produção de colágeno. Então, não adianta chorar, arrancar os cabelos, gastar rios de dinheiro nos cremes mais caros: eles não funcionam para mim como para a maioria das mulheres. Veja este exemplo: no início de 2006, quando a SOP descontrolou e eu ganhei 20 kg em 4 meses, minha barriga ficou lotada de estrias, mesmo com o uso de óleo de amêndoas e hidratante potente 2 vezes ao dia. Assim que meu peso estabilizou, fui à dermatologista e fiz tratamento com ácido e hidratante com óleo de rosa mosqueta, segui à risca as recomendações e o aspecto de minha pele pouco melhorou. Enquanto isso, conheço mulheres que passaram por efeito sanfona, gestação e, apesar de não se cuidarem como eu, não têm uma única estria pra contar a história.

Então, já grávida, fui pesquisar sobre cosméticos anti estrias para gestantes. O mercado tem muitas opções, pena que meu poder aquisitivo não me permitiu investir em nenhum deles. Como se já não bastassem os gastos com a mudança para a casa própria, eu estava sem convênio médico, tendo que arcar com as consultas e os exames, e pagando meu tratamento com a progesterona, que não é barato. Obviamente, priorizei a saúde e deixei a estética de lado.

Porém, a grana curta não me impediu de cuidar da pele do corpo um único dia, até porque a gestação deixou a minha pele do corpo ainda mais ressecada do que já era – seria tão bom se eu pudesse transplantar a oleosidade do rosto para o corpo… Como isso, infelizmente, não é possível, adotei estes passos na minha rotina de beleza:

1- Óleo de amêndoas no banho

2- Pomada Bepantol / Bepantriz

3- Creme hidratante

Parece exagero? Não! Na guerra contra as estrias, vale tudo!

Comecei usando o Leia o resto deste post »

Quando descobrimos a gravidez, é inevitável que uma série de hábitos sejam modificados. No meu caso, a primeira coisa que tive que mudar foram os cuidados com a pele, principalmente a do rosto. Há anos tento me livrar dos melasmas, aquelas manchas marrons horrorosas no rosto que surgiram por causa da SOP. Já usei ácidos manipulados sem muito sucesso, mas desde o final de 2012 estava me dando bem com um creme prescrito pela dermatologista. Ao descobrir que estava grávida, tive que descontinuar o uso imediatamente, assim como tive que abandonar os cremes antiidade.

Além da mudança de hábitos para não prejudicar a formação do bebê, a montanha-russa hormonal que vem de brinde com a gestação muda também as características de nossa pele. No meu caso, que tomo Utrogestan 200 desde a descoberta da gestação, sofri ainda mais com o “presente de grego”: a oleosidade no rosto e no colo, acompanhada de espinhas grandes e doloridas. A sorte é que nunca foram várias espinhas de uma só vez, geralmente aparecem uma ou duas, vão embora, e só depois surgem outras.

Mesmo assim, vem o desafio: o que posso fazer para cuidar da pele do rosto?  Caprichar na limpeza diária e no protetor solar, para não agravar os melasmas.

cuidados com o rosto

A primeira dificuldade foi achar um bom gel de limpeza que tivesse uma formulação mais suave. Optei pelo Gel de Limpeza Renew Rejuvenate (embalagem azul), indicado para a faixa etária de 25 anos. Quando o meu acabou, vi que esta linha foi substituída pela linha Renew Vitale (embalagem rosa) e comprei o Gel de Limpeza Facial Renew Vitale.  Em promoção, custou Leia o resto deste post »

Já estamos na metade de 2013, sumi do blog (mais uma vez) desde dezembro e, como sempre, tenho as minhas desculpas para isso: no final do ano passado, depois de muita luta, finalmente assinei o contrato da compra de minha casa própria! Não foi nada fácil, já tinha escrito aqui da desilusão quando achei que ia dar errado, mas conseguimos realizar esse sonho. Fechamos com chave de ouro o ano de 2012, que nos proporcionara momentos bons e ruins.

2013 de casa nova!

2013 de casa nova!

O mês de janeiro foi aquela correria com as vistorias da casa, a compra das coisas que estavam faltando – um pouco de cada vez – e, em 23 de fevereiro, finalmente nos mudamos! Não dá nem para explicar a sensação maravilhosa quando colocamos todos os nossos pertences dentro da casa, fechamos a porta e falamos: é nossa! A ficha demorou a cair, confesso. E haja bagunça! Construção de muro nos fundos da casa (nossa casa fica em um condomínio fechado, no padrão americano, originalmente sem muros na frente e nos fundos, mas a gente fecha no fundo para delimitar o espaço, ter privacidade e, quando tiver $, ampliar a casa), montagem dos móveis planejados da cozinha e banheiro e, aos poucos, nosso cantinho foi ficando mais com a nossa cara. Ainda não está pronto: temos algumas paredes para colorir, várias bugigangas ainda sem lugar, uns poucos móveis para reformar e… Um bebê a caminho!

Sim, esta é a outra novidade de 2013, além da casa! Não foi algo que planejamos, pois nossa intenção era organizar a casa este ano, no próximo ano comprar um carro e, daí sim, começar as tentativas para engravidar. Sabe aquela história de que as coisas acontecem em seu próprio tempo, e não quando queremos? Pois é, ela se mostrou verdadeira para nós. Leia o resto deste post »

Porque homens também sabem escrever um bom chik-lit. Prepare-se para uma história contada de um jeito que só um homem e toda a sua capacidade de observar mais e falar menos podem fazer. Esqueça os arroubos passionais das mocinhas dos enredos, as juras de amor e os romances impossíveis. É um chick-lit com altas doses de realidade. Talvez esta seja a qualidade que faz deste um livro tão interessante.

Emocione-se com a história de três irmãs – Cat, Jessica e Megan – e suas aventuras / desventuras no quesito maternidade. Você quer ser mãe, já é mãe ou não deseja ser mãe? Reflita e escolha com qual das irmãs você se identifica. Mas como Tony Parsons é o autor do livro, a minha pergunta pode ser passada para o masculino e o leitor também poderá decidir com qual personagem ele se identifica.

Recomendação para a leitura: combo pipoca + refrigerante – porque a cada página lida, surge a pergunta: por que este livro ainda não virou um filme?

Grau de urgência da leitura: 5 – opinião nada imparcial, motivada pela urgência do meu próprio relógio biológico.

“_ Seus pais estragam a primeira metade da sua vida – disse a mãe de Cat quando ela contava 11 anos de idade – e seus filhos estragam a segunda metade.” (p. 9)

Um Jeito de Família

Ficha técnica:

Livro: Um jeito de família

Autor: Tony Parsons

Editora: Record

Ano: 2007

Páginas: 445

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 829 outros seguidores