Arquivos para posts com tag: Folga

carnaval

E eu detesto carnaval. Nunca fui fã desta festa. Confesso que até já acampei durante os 5 dias de folia em um retiro espiritual só para ficar longe da bagunça. Acho que não sou brasileira neste aspecto.

O que realmente me faz feliz nesta data é a folga. Antes de trabalhar, ficava feliz pelos dias em que não tinha aula. Depois que comecei a trabalhar, lembro-me que no primeiro emprego eles sortearam 4 folgas extras para cada turno, e só uma pessoa trabalharia para cobrir os ausentes. Eu, claro, não fui sorteada e, enquanto todos os outros do meu turno tiveram 2 dias seguidos e folga, eu fui descansar somente na Quarta-feira de Cinzas. Que sorte…

Depois, em outro emprego, dia livre no feriado só se a folga coincidisse com a data. Se trabalhasse, ganhava em dobro, mas tinha que aturar aqueles que, comemorando o carnaval, bebiam demais e se tornavam inconvenientes.

Há 2 anos folgo sempre no feriado. Neste ano, por exemplo, só trabalharei na 5ª e 6ª feira. Maravilha! Pensei em ir para a casa de meus pais, ou então alugar uma temporada completa de algum seriado, mas… Não teve jeito. Tenho que trabalhar.

Isso mesmo! Funcionária do mês com propensão a workaholic que se preze tem que aproveitar a folga para fazer “bicos” e, assim, garantir um extra, porque sempre cai bem, claro. Resumindo: cada minuto de meu feriado prolongado está direcionado para “apoios intelectuais”: um auxílio em uma dissertação de mestrado aqui, uma revisão de conteúdo em outra dissertação ali e, para finalizar, uma resenha de filme. E ainda tenho reuniões para a esquematização de um projeto que está em andamento – logo falarei sobre ele aqui.

Resta saber se os 5 dias de feriado serão suficientes. Folião que é folião reivindicaria mais dias para festejar. Workaholic que honra a alcunha reclama que falta tempo para o trabalho…

P.S.: precisando de alguma ajuda com trabalhos acadêmicos, é só chamar!

Anúncios

Cá entre nós, uma coisa bem deprimente é sair para trabalhar no Natal enquanto a maioria  das pessoas está saindo para comemorar. Melhor ainda quando sua família mora longe e, sem folga, é impossível viajar para passar a data em sua companhia. Esse é o meu caso.

Trabalhar no Natal? Affff... Que maravilha!

Trabalhar no Natal? Affff... Que maravilha!

A minha sina de sempre trabalhar no Natal começou em 2003. No Natal deste ano, trabalhava há apenas três meses como…, bem o meu cargo eu deixo para falar depois. Algumas pessoas foram sorteadas para folgar no Natal e outras no Ano Novo. Eu, claro, não fui sorteada para ganhar folga em nenhum destes dias.

Um colega, solidário à minha causa, cedeu-me sua folga natalina e, em troca, pediu a minha folga no domingo. Moral da história: cheguei na cidade de meus pais na noite do dia 24, fui direto para a ceia na casa de meus tios, e dormi sentada durante a comilança – ops, comemoração. No dia seguinte, após o almoço, já estava no ônibus voltando para casa, muito cansada, sabendo que teria, pela frente, três semanas de trabalho direto, sem folga.

Em 2005, já em outro serviço, tive a honra de ser escalada para trabalhar sem folgas durante a segunda metade do mês de dezembro. Nada cansativo, bobagem. E o melhor de tudo é que eu fazia parte do turno da noite: entrava às 17 e saía por volta das 23:30 horas. Enquanto eu estava lá, suando para garantir o pão de cada dia, eu observava as pessoas felizes, bem vestidas, a caminho de suas festas. Quanto a mim, saí correndo para o ponto de ônibus, para pegar o corujão e chegar às 00:30 horas na ceia de minha sogra, sem banho, sem ânimo, apenas com um panetone nas mãos.

Jurei que no ano seguinte seria diferente. Que nada! O roteiro do meu Natal de 2006 foi o mesmo, com uma única alteração: a ceia foi em minha casa, e eu, obviamente, fui a última a chegar.

Em 2007, finalmente, não trabalhei no dia 25 de dezembro. Mas por trabalhar na véspera e no dia seguinte à festa, não pude viajar para ver meus pais.

Agora, em 2008, vou passar o feriado natalino como ele merece: na companhia de papai e mamãe! Pena que o orçamento anda apertado e meu marido terá que ficar para passar o Natal com a sua família…