Porque homens também sabem escrever um bom chik-lit. Prepare-se para uma história contada de um jeito que só um homem e toda a sua capacidade de observar mais e falar menos podem fazer. Esqueça os arroubos passionais das mocinhas dos enredos, as juras de amor e os romances impossíveis. É um chick-lit com altas doses de realidade. Talvez esta seja a qualidade que faz deste um livro tão interessante.

Emocione-se com a história de três irmãs – Cat, Jessica e Megan – e suas aventuras / desventuras no quesito maternidade. Você quer ser mãe, já é mãe ou não deseja ser mãe? Reflita e escolha com qual das irmãs você se identifica. Mas como Tony Parsons é o autor do livro, a minha pergunta pode ser passada para o masculino e o leitor também poderá decidir com qual personagem ele se identifica.

Recomendação para a leitura: combo pipoca + refrigerante – porque a cada página lida, surge a pergunta: por que este livro ainda não virou um filme?

Grau de urgência da leitura: 5 – opinião nada imparcial, motivada pela urgência do meu próprio relógio biológico.

“_ Seus pais estragam a primeira metade da sua vida – disse a mãe de Cat quando ela contava 11 anos de idade – e seus filhos estragam a segunda metade.” (p. 9)

Um Jeito de Família

Ficha técnica:

Livro: Um jeito de família

Autor: Tony Parsons

Editora: Record

Ano: 2007

Páginas: 445

Anúncios